Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Park Hotel, Nova Friburgo, 1944, arquiteto Lúcio Costa. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Dividido em quatro partes, o grande relato de Anita Di Marco cobre sua passagem por dezenas de cidades de Portugal e Espanha. Nessa quarta e última parte trata da cidade espanhola de Sevilha.


how to quote

DI MARCO, Anita. Na península ibérica. Sevilha (parte 4). Arquiteturismo, São Paulo, ano 13, n. 144.01, Vitruvius, mar. 2019 <http://7.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/13.144/7281>.


Chegamos à bela capital da Andaluzia cortada pelo rio Guadalquivir no meio da tarde e nos hospedamos no Pateo de la Alameda, um hotel bem agradável, tipicamente espanhol, com pátios, ladrilhos, gradis de ferro fundido, vasos floridos nos peitoris e muitas, muitas plantas. Foi nosso segundo hotel preferido. O primeiro, o de Porto, claro!  Enfim, depois de nos acomodarmos, saímos para comer e passear.

Vias amplas e compartilhadas
Foto Renato S. Alves

Tapas, viños, sangrias e postres, aqui vamos nós.... Tudo muito bom! A cidade é arejada, ampla, arborizada e o que me impressionou, além da quantidade, da qualidade e da limpeza de largos e praças, foi o piso das calçadas e das vias do Centro Histórico – ladrilhos regulares, sem grandes desníveis entre calçadas e ruas, formando um todo harmonioso e onde se percebia um acordo tácito de respeito entre todos os que frequentavam aqueles espaços – dúzias de ciclistas, pedestres, carrinhos de bebês, idosos com ou sem bengalas, turistas distraídos com suas máquinas fotográficas em punho, carros, bondes.... A velocidade? 50 quilômetros por hora, fora do Centro Histórico. No Centro Histórico, nas chamadas áreas pacificadas, a velocidade chegava a 30km/h e as faixas de pedestres eram totalmente respeitadas. E o que mais nos surpreendeu: ninguém reclamava, ninguém parecia ter pressa, todos transitavam sem estresse, sem buzinas, sem agressividade! Um banho de civilidade! Aliás, também já me referi a isso ao falar de Portugal, o respeito aos pedestres e aos turistas é admirável.

Piso regular, limpeza e preocupação com o verde
Foto Anita Di Marco

Nosso roteiro sempre procurou aproveitar o máximo do incomparável legado cultural e arquitetônico dos lugares que visitamos. Na nossa primeira tarde em Sevilha, o lugar mais próximo da nossa lista era a Plaza de la Encarnación, revitalizada em 2011. A fantástica obra do arquiteto alemão Jurgen Mayer (1965), o Parasol-Metropol, mais conhecida como as Setas de Sevilha, é uma estrutura de ferro e madeira que se percorre do subsolo (museu arqueológico, lojinha e entrada para o elevador), até o quarto andar, de onde saem as rampas para o último andar, o mirante, a 30 metros do chão. Como Sevilha é plana, lá do alto, tem-se uma vista de 360 graus da cidade...

Setas de Sevilha, praça elevada e intenso uso
Foto Anita Di Marco

Ao longe, destacavam-se a torre vermelha do Centro Cultural de Sevilha, o mais novo arranha-céu da cidade e cuja construção foi polêmica, a cúpula da grande catedral ao lado da Giralda, a torre-minarete que domina a paisagem local, e a Ponte Alamillo, outra obra de Santiago Calatrava, também para a Exposição Universal de 1992...

Setas de Sevilha, mirante. Vistas
Foto Anita Di Marco

À note, tapas e sangria, claro! Na Espanha, as tapas são essenciais na culinária, sobretudo na Andaluzia, mas mais do que isso: são formas de se relacionar. Lá tapear é um ritual social a ser cumprido. E as chamadas terrazas, as mesinhas nas calçadas, inundam a cidade.  Além das tapas, o flamenco é outra marca registrada e tradição em Sevilha, mas também ficamos sem assistir a uma apresentação. Vai para lista, junto com o bairro Triana. A lista da próxima viagem já está ficando bem grande...

Marco indicativo do Caminho de Santiago
Foto Anita Di Marco

Entrada para o Real Alcazar de Sevilha
Foto Anita Di Marco

Segundo dia em Sevilha – através da minha filhota, descobrimos a existência das fantásticas e democráticas “free walking tours”: passeios a pé pelo Centro Histórico com guias educados, animados e muito bem preparados, com informações corretas e extensas... Os passeios são oferecidos em vários idiomas. Ficamos com o guia em espanhol. Aliás, fica a dica. Os grupos com guias que falam espanhol são bem menores; nosso grupo, por exemplo, tinha sete pessoas, fora Rocio, nossa simpática guia, enquanto o grupo com guia que falava em inglês tinha 22 pessoas. Várias agências oferecem os passeios. Nós escolhemos o grupo da Pancho Tours, identificado com a cor laranja, nas camisetas e no infalível guarda-chuva. Ah, sim! A inscrição deve ser feita pela internet e com antecedência.

La Giralda, ponto de encontro
Foto Anita Di Marco

Demos um passeio excelente pela capital da Andaluzia, de quase três horas, vimos e ouvimos falar da história da cidade, de seus povos, dos principais monumentos, arte e estilos. O passeio começava atrás da Catedral, percorria o Centro Histórico, passando pelo Arquivo das Índias, com um riquíssimo acervo de documentos; pela torre do Ouro, construção de 1220, cujo tom dourado, provavelmente, derivava da areia da região...

Arquivo Geral das Índias
Foto Anita Di Marco

Torre do Ouro
Foto Anita Di Marco

Prosseguia pela antiga fábrica de tabaco (que inspirou a ópera Carmem), onde hoje funciona a sede e alguns cursos da Universidade de Sevilha; por belos jardins e parques, como o lindíssimo Parque Maria Luíza e...

Universidade de Sevilha
Foto Anita Di Marco

Universidade de Sevilha
Foto Anita Di Marco

Culminou com a magnífica Praça de Espanha, idealizada pelo arquiteto Aníbal Gonzalez, com direito à estátua na rua lateral que dá acesso à praça. A sede da Expo Ibero-americana de 1929 marcou o final apoteótico de nosso passeio!

Praça de Espanha
Foto Anita Di Marco

Depois de um almoço leve, já no meio da tarde, rumamos para a Igreja Santa Maria de la Sede de Sevilha, cuja construção como mesquita e seu minarete ocorreu entre 1184-1198. Toda construída em tijolos, após a reconquista espanhola, a mesquita foi consagrada como catedral (1248) e, com o correr dos séculos, foram feitos trabalhos e ornamentações em variados estilos: no século 15, a partir de 1434, a parte gótica; no século 16, trabalhos renascentistas, como os corpos superiores da torre que constituem o atual campanário; nos séculos 17 e 18, as obras barrocas; no século 18 e no início do 19, as últimas obras significativas da catedral, como o término dos três maiores pórticos. Declarada Patrimônio Mundial pela Unesco, em 1987, a catedral abriga os restos mortais de Cristóvão Colombo e de vários reis espanhóis.

Catedral e a torre La Giralda
Foto Anita Di Marco

Catedral de Sevilha, detalhe
Foto Anita Di Marco

Naquele horário, 50 minutos antes do encerramento das visitas, já quase não havia filas. Entramos e percorremos o edifício, boquiabertos com o espaço, a decoração do altar principal, as capelas, as obras de arte, as esculturas, os detalhes, a imponência... e também, convenhamos, em função do curto tempo que nos restava para a visita. Foi rápido, mas proveitoso. No final, os 34 andares da torre-minarete, La Giralda, que chega a 96 metros de altura. De novo, as deslumbrantes vistas de 360 graus a partir do topo e o Pátio das Laranjeiras, lá embaixo, junto à saída... Mas o mais interessante da subida na torre é que não há escadas e, sim, rampas! Meus joelhos agradeceram muitíssimo! Portanto, não desanimem. Vale a pena subir até lá...

Sinos da torre-minarete
Foto Anita Di Marco

Pátio das Laranjeiras, visto do alto da torre
Foto Anita Di Marco

Ponte Alamillo, vista da Torre La Giralda
Foto Anita Di Marco

Dia seguinte, só tínhamos tempo para visitar o Real Alcazar de Sevilha, inacreditável complexo de fortaleza e edifícios de diferentes épocas, jardins e pátios, já que nosso voo de volta estava marcado para aquela noite. Chegamos meia hora antes da abertura dos portões e a fila já era grande, mas ficamos firmes e, depois de uma hora, entramos.

Muralha em torno do Real Alcazar
Foto Anita Di Marco

Parte do complexo original dos mouros
Foto Anita Di Marco

A fortificação de mais de mil anos teve origem em um assentamento romano, a antiga Hispalis romana, depois começou a ser construído na Idade Média, acolheu o califado de Córdoba e, a partir daí, com o desenrolar da história de conquistas e reconquistas, foi remodelado, alterado e expandido incorporando, portanto, arte islâmica, mudéjar (mão de obra muçulmana sob direção cristã), elementos românicos, góticos, renascentistas, maneiristas e barrocos.

Um dos Pátios do Alcazar, em Sevilha
Foto Anita Di Marco

Espaços inacreditáveis: pisos, pedras, mármores, cores, azulejos, arcos, fontes baixas, laranjeiras, uma infinidade de plantas, os mais antigos jardins da cidade e em diferentes estilos.... Até hoje os reis espanhóis se hospedam lá, quando em Sevilha. Valeu a espera para ver de perto esse Patrimônio Mundial, desde 1987!

 

Areia amarelada só encontrada na região: nos jardins, na Torre do Ouro e na Plaza de Toros
Foto Anita Di Marco

Finalmente, após a visita, comemos nossa última refeição, no El Badulaque, um restaurante muito simpático perto do hotel. Merluza com legumes, salada e sangria para nos despedirmos da Espanha. Sevilha me encantou! Tim-Tim! Depois, era esperar o horário de ir para o aeroporto, agradecer e fazer a longa viagem de volta pela diferença de cinco horas com o Brasil. No dia seguinte, chegamos bem, graças aos lugares premium que a gentil Priscila da Atlantis turismo nos conseguiu, com o corpo um pouco cansado da maratona, o coração muito feliz e a mente cheia de informações a serem processadas. Agora, é tempo de descansar, trabalhar muito e preparar a próxima!

Nossa última sangria! Gracias e hasta la vista
Foto Anita Di Marco

notas

NA – Diversas das informações foram pesquisadas em websites especializados em turismo:
https://www.cultuga.com.br
https://www.oportoencanta.com
https://viajenaviagem.com.br
https://dicasdeportugal.com.br
https://manualdoturista.com.br/arquitetura-portuguesa
http://www.monumentos.gov.pt

NE – Quarto e último artigo da série da série “Na península ibérica”. Os artigos publicados são os seguintes:

DI MARCO, Anita. Na península ibérica. Porto e arredores (parte 1). Arquiteturismo, São Paulo, ano 12, n. 140.07, Vitruvius, nov. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/12.140/7176>.

DI MARCO, Anita. Na península ibérica. Aveiro, Coimbra e a rota dos mosteiros (parte 2). Arquiteturismo, São Paulo, ano 12, n. 141.03, Vitruvius, dez. 2019 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/12.141/7201>.

DI MARCO, Anita. Na península ibérica. Lisboa e Sintra (parte 3). Arquiteturismo, São Paulo, ano 12, n. 142.01, Vitruvius, jan. 2019 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/12.142/7221>.

DI MARCO, Anita. Na península ibérica. Sevilha (parte 4). Arquiteturismo, São Paulo, ano 13, n. 144.01, Vitruvius, mar. 2019 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/13.144/7281>.

sobre a autora

Anita Di Marco é arquiteta e tradutora.

comments

144.01 viagem cultural
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

144

144.02 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

144.03 arquiteturismo em questão

Detalhes em São Luiz do Paraitinga

Eduardo de Lima Caldas, Patrícia Laczynski de Souza and Martin Jayo

144.04 roteiro de viagem

Experiências em Governors Island

Lidiane Espindula

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided